Instituição Espírita Joanna de Ângelis
IEJA

Definição

O que é o Espiritismo?

O ESPIRITISMO é a doutrina revelada pelos Espíritos Superiores, através de médiuns de diversas partes do planeta, que foi organizada e codificada por Hippolyte Léon Denizard Rivail, um educador francês, que ficou conhecido posteriormente como Allan Kardec.

A Doutrina Espírita possui simultaneamente bases científicas, filosóficas e religiosas. No que se refere à Filosofia, ela nos responde a perguntas como: “De onde eu vim?”, “Para onde vou?”, “Por que estou aqui?”. Além de nos dar respostas, permite a reflexão sobre a interpretação que fazemos da vida em toda a sua plenitude.

Na parte da Ciência, o Espiritismo nos proporciona conhecimento baseado em fatos, relatados pelos próprios Espíritos desencarnados, o que constitui uma prova da existência desse outro plano. Estuda-se o campo da mediunidade dentro de critérios científicos e à luz da razão, demonstrando que estes fenômenos são tão somente fatos naturais.

O Espiritismo possui também sua base na Religião, pois busca transmitir os ensinamentos de Jesus com o objetivo de despertar a Humanidade para o seu próprio aprimoramento e desenvolvimento intelectual e moral. Proporciona, dessa forma, a sua evolução por meio da fé raciocinada, já que antes de aceitarmos algo como verdadeiro, devemos compreendê-lo e analisá-lo previamente. Contudo, é uma religião simples, sem cerimoniais e rituais de espécie alguma. O fator crucial no Espiritismo é a busca do pleno progresso do homem, através, principalmente, da prática da caridade.

 

FUNDAMENTOS BÁSICOS DO ESPIRITISMO:

A existência de Deus, Criador do Universo, causa primária de todas as coisas. É a Suprema Inteligência, eterno e soberanamente justo e bom.

A imortalidade do Espírito, criado por Deus, que deve procurar evoluir pelo seu próprio esforço, aprendendo, pelo exercício do seu livre-arbítrio, a fazer escolhas no caminho do Bem.

A reencarnação, que nos oferece oportunidades de crescimento intelectual e moral. Todos nós somos criados simples e ignorantes, e vamos nos desenvolvendo através das sucessivas reencarnações, onde aprendemos a fazer escolhas, aperfeiçoando-nos cada vez mais, adquirindo conhecimentos e inúmeras experiências que a vida terrestre nos proporciona.

Nosso planejamento reencarnatório é realizado no Plano Espiritual e executamos nossas provas aqui, na condição de encarnados, com a finalidade de nos aprimorarmos, sempre em busca da nossa evolução.

A Providência Divina se manifesta sempre, porque se não nos lembramos das nossas vidas passadas, isso tem uma razão de ser. Se isso acontecesse, lembrando do mal que fizemos ou dos sofrimentos que experimentamos, das pessoas que nos prejudicaram ou daqueles a quem prejudicamos, não teríamos condições de viver entre elas nesta encarnação, pois, muitas vezes, os inimigos do passado podem ser hoje nossos pais, irmãos, filhos, amigos, que no momento, se encontram junto de nós para que possamos ter a chance da reconciliação. Desse modo, a reencarnação além de ser uma oportunidade de reparação, é também o momento de aplicarmos nossos esforços pelo bem do nosso próximo, promovendo o aceleramento do nosso progresso espiritual. Por intermédio do processo de reencarnação, é possível perceber que nós mesmos somos os causadores dos nossos próprios sofrimentos. Entretanto, justamente por conta desse mecanismo, vamos gradativamente aprendendo a conviver de forma mais fraterna e solidária com nossos semelhantes.

A pluralidade dos mundos, que constitui as diferentes esferas de habitação dos Espíritos de acordo com o seu grau evolutivo. Definindo, a princípio, como existindo (em linhas gerais) cinco níveis de mundos, nosso planeta está ainda no segundo nível, pertencendo à categoria de Mundos de Provas e Expiações.

Importa saber que o princípio básico da Doutrina Espírita é que “sem caridade não há salvação”. Isso porque fora dos preceitos da verdadeira caridade, nós não poderemos atingir a perfeição para a qual fomos destinados. Todos somos dependentes uns dos outros e só amadurecemos com a convivência mútua. Que possamos cada vez mais estendermos as mãos aos nossos irmãos, nos tornando Espíritos mais caridosos, fraternos e solidários, nos esforçando pela nossa reforma íntima, com o objetivo de melhorarmos sempre.

2015 | IEJA - Instituição Espírita Joanna de Ângelis